terça-feira, 30 de setembro de 2014

Etc. e partida para o disparate …

Por mais que trabalhe, mais trabalho me aparece à frente para eu fazer. É incrível! Pensava que aos pares só vinham as cerejas …

E sempre que estou cansada começa o disparate. O tico e o teco entram em curto-circuito e por mais que tente evitar … dificilmente consigo ter uma conversa séria e com pés e cabeça.

A última conversa, dizem os entendidos aqui do sítio, veio animar a correria que por aqui se vive:

N.: Não vais acreditar a impressora está a dar as últimas. Já liguei ao técnico e ele disse que não pode fazer nada. A impressora morreu para o mundo laboral! …. Não dizes nada?

Eu: Se me estás a convidar para o funeral dela …tenho de primeiro arranjar um vestido preto.

N.: Que piadinha. Anda lá! Arranja uma daquelas tuas soluções para o problema da máquina.

Eu: Fala com a M., diz-lhe que vais da minha parte e que precisas dos serviços do pai dela.

 [20 minutos depois]

N.: A sério!?!?! O pai da M. é coveiro. COVEIRO!!!!

 A secretária da M. fica a dois passos de uma impressora, que está a funcionar a todo o vapor.

Moral da história: A uns o cansaço dá-lhes para o disparate, a outros dá-lhes para a miopia. 


Imagem retirada da Internet

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Quando a cabeça não tem juízo ...

Algumas vezes aprendemos por experiência, outras vezes por observação.

#1 Saltos altos não são o todo-terreno dos sapatos

Se visitarem Guimarães, por favor não levem saltos altos! Saltos altos e calçada medieval é desastre iminente, com direito a um valente dói-dói como souvenir. Acreditem e não venham apurar a técnica do entorse. Apesar do show “evitar a queda” ser bastante cómico, principalmente quando é pontuado por frases do tipo “então não tens força para me segurar” e o desgraçado do namorado/marido está em pleno esforço, há coisas mais interessantes para fazer.

#2 “Os gatos não têm vertigens”, mas tiveram “narrador”

Há os treinadores de bancada e há os críticos de fila, que vão ao cinema, narram e comentam todas as cenas. Foram 124 minutos de comentários tão profundos como “a comida tem bom aspeto”, “não sejas burro, não faças isso” e “toma que desta já levaste”. Era a sapiência em pessoa!

#3 Souvenir do tipo II - uma quase-lesão muscular

“Escalar” ruínas de uma muralha pode parecer uma boa ideia no calor do momento, mas não é. Ai e tal, dali a fotografia fica excelente, não é assim tão alto, é só subir aquela pedra, depois sentar na outra e subir. Até aqui tudo bem. As calças pretas para voltarem a ser pretas iriam precisar de duas idas à máquina. Mas tudo bem. Agora, fazer a “escalada” usando sempre a mesma perna de apoio (quer na subida, quer na descida) é que não lembra a ninguém (exceto à minha pessoa). Mas pronto, descobri que sou “esquerda de pernas”. Tenho a perna direita completamente operacional e a esquerda como se fosse uma pessoa com 80 anos. Nunca pior!
 
Imagem retirada da Internet
 

domingo, 28 de setembro de 2014

Passado no presente em cerco …

Não há nada como voltar a “casa” e transformar o fim-de-semana numas miniférias ao passado.

Durante este fim-de-semana, Guimarães "trouxe" o passado para o presente com a Feira Afonsina. Por entre damas, cavaleiros, pajens e plebe tivemos acesso à Idade Média. O ponto alto, para mim, foi a reconstituição do episódio do “Cerco a Guimarães” ocorrido em 1127. Aqui ficam algumas fotografias e um pequeno vídeo da reconstituição do cerco pode ser visto AQUI.
 
Para o ano há mais!
 

 

Os Gatos Não Têm Vertigens

Um filme de António-Pedro Vasconcelos, que conta com os atores Maria do Céu Guerra, Nicolau Breyner, Ricardo Carriço, Fernanda Serrano e João Jesus nos principais papéis.
 
Não concordo com as críticas que apontam o filme como uma má versão de Oliver Twist. Pelo contrário, acho que é um filme que destaca e põe em confronto duas realidades fraturantes da nossa sociedade atual: a solidão na velhice e o relacionamento (ou a falta dele) entre pais e filhos. É verdade que tem uma primeira parte lenta e que quem viu o trailer do filme chega ao intervalo com a perfeita noção, que grande parte do desenrolar da história vai-se centrar na segunda parte. Mas mesmo assim não deixa de ser um filme de boa qualidade e com interpretações estupendas. Confesso que a minha preferência vai para atriz Maria do Céu Guerra, que dá rosto à “solidão” de uma forma acutilante e bem-humorada. 
 
Imagem retirada da Internet
 

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Olha que boa desculpa …

 aproveitem que o fim-de-semana está aí à porta.

Descobri mais um conclusão que segue o raciocínio lógico do “se parece uma batata, se sabe a batata é porque é uma batata”. Mas desta vez, tal como na anterior, as conclusões dão imenso jeito para o dia-a-dia.

Da próxima vez que disserem que estamos magrinhas ou “cheiinhas” podemos sempre retorquir que é por causa das companhias. É que segundo um estudo das Universidades de Southern Illinois e Cornell, jantar com uma pessoa com excesso de peso faz-nos comer mais.

E chegaram a esta conclusão como? Vestiram uma pessoa com um “fato de gorda” e pediram-lhe para ela comer mais salada e menos massa. Observaram a reacção das restantes pessoas à mesa e estes comeram mais massa do que salada. Novo teste. Sem “fato de gorda” e tem que atacar a massa como se não houvesse amanhã. Reacção dos restantes: comem mais salada, do que massa. Conclusão: “o factor compromisso de saúde, na presença de uma pessoa com excesso de peso, não está activado, levando os outros a comer alimentos menos saudáveis”. Pois … ou é isso, ou as restantes pessoas tendem a comer mais do prato que tem mais comida.

Agora só uma perguntinha. Já alguma vez comeram com uma pessoa, que parece um passarinho a comer? Daquelas que comem uma folha de alface e uma azeitona e dizem que estão enfartadas. O que é que normalmente acontece. Nós comuns mortais não queremos parecer um glutão que não vê comida há três décadas e por isso comemos menos.

Mas quando saímos com pessoas que gostam de apreciar os prazeres da boa mesa, por norma comemos mais do que a conta. É porque eles são gordos? Não. É porque eles são tão malucos como nós e resolvem dizer: “Que se lixe a dieta, vamos é atacar o carrinho das sobremesas!”.

Ora bolas … o estudo tem mesmo razão tenho que começar a socializar mais com Olívias Palitos e menos com Gatos Garfields. 
 
 

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Coca-cola e os obrigados por dizer …

Este vídeo é só mais um exemplo entre muitos. Nos últimos anos, a marca coca-cola tem apostado em vídeos com um forte registo emocional, onde quase sem mostrar o produto passa uma mensagem com que a maioria das pessoas se identifica. E eu não sou exceção.

Depois de ver o vídeo lembrei-me do portageiro da autoestrada A3. Não sei o nome dele (tal como as pessoas que aparecem no vídeo), mas é impossível não esboçar um sorriso perante o “ora viva!” com que nos brinda. Quando chego à portagem por norma já fiz um percurso de cerca 60km, com sorte não apanhei acidentes ou engarrafamentos e sei que o mais provável é ainda ter de enfrentar uma fila de trânsito até casa. Aquele “ora viva!” funciona como uma espécie de lufada de ar fresco. As poucas palavras que trocamos enquanto faz o troco e me entrega o recibo têm o dom de me despertar do tédio da viagem. Nunca parto sem que me diga “tenha um resto de um bom dia” ou “tenha uma boa semana”.

Se ele precisava de fazer isto? Não. Podia simplesmente fazer como os outros e limitar-se ao seu trabalho. De certeza que tem dias maus como todos nós, mas opta sempre por fazer a diferença.

E é esta diferença no nosso dia-a-dia de corre-corre, que muitas vezes nos esquecemos de agradecer.
 
 
Autopromoção à parte é ou não é um grande vídeo?   

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Spornossexual … O quê?

É por esta e por outras, que eu descubro que tenho uma vida muito ocupada.

Sabem o que é um spornossexual? Pois … eu há vinte minutos atrás também não sabia o que era e muito menos que tinha sido alvo de um artigo no Público em Agosto (vejam lá o meu atraso na matéria!).

Com base na definição que me foi apresentada são “homens muito musculados, vaidosos, egocêntricos, obcecados com a imagem”. Trocando por miúdos (não os homens, mas a definição) são homens que nos vão usurpar a casa de banho e os espelhos lá de casa.

Por outro lado perante tal espécime teremos uma excelente oportunidade para encarnar o papel da Emma Stone no filme “Crazy, Stupid, Love” e gritar a plenos pulmões: “Seriously? It's like you're photoshopped!”.
 
Imagem retirada da Internet
 
Mas as novidades não ficam por aqui. Aparentemente o melhor exemplo de um spornossexual não é o Ryan Gosling, mas sim o modelo Dan Osborne porque tem o corpo tatuado. Pois … eu cá continuo a preferir a espécie em vias de extinção a que outrora se chamou cavalheiro (e de preferência sem tatuagens ou corpo “insuflado”)!     
 
Imagem retirada da Internet
 

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Nunca me tinha lembrado disto …

Não tenho nada contra eles. Mas eles tentam-me todos os dias com novidades e excentricidades.

Ainda meia ensonada fui até à janela da cozinha para tentar desvendar se o outono de hoje seria mesmo outono ou se seria um inverno rigoroso … e deparei-me com isto. 

Eu já pensei fazer obras em casa, mas nunca me passou pela cabeça colocar a sinalização apropriada na varanda. Mas é bem pensado, sim senhora! Avisar os restantes vizinhos, que o “fim de obra” é mesmo na varanda.


 
E sim, também já me passou pela cabeça “decorar” a minha varanda, para que ela não grite a plenos pulmões a “minha dona não tem tempo para mim”. Mas mais uma vez, nunca me lembraria de colocar uma espécie de farol de gosto duvidoso a atafulhar meia varanda. Por outro lado, não exige uma elevada manutenção. Se calhar … onde terá ele/ela arranjado tal mamarracho?
 
 

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Ontem ninguém viu …

Olha o nariz a crescer!

Acho piada que a “Casa dos Segredos 5” tenha sido o programa mais visto ontem à noite, mas hoje de manhã ninguém diz que o viu. Ninguém sabe de nada, mas em dois dedos de conversa são apanhados com a boca na botija. Mas claro, ninguém viu o programa! Estavam a fazer zapping e por acaso (mas só por acaso) viram praticamente o programa todo.

É que a 1ª gala do programa é assim uma espécie de acidente de carro. Quando se passa, abranda-se nem que seja só para ver se é só um bate-chapa ou um acidente em cadeia.

Ontem eu também “abrandei” e acho que vi um “acidente em cadeia” com 21 “veículos ligeiros” e com potencial para entrarem em “combustão” à mínima faísca. 

Quanto aos segredos. Alguns são pérolas senhores, são pérolas!

- Entrei com o pai/mãe ou entrei com a minha filha/filho (agora percebo, porque dizem que é um programa familiar)

- A minha mulher está na casa (novelistas prestem atenção, que vão ter “pano para mangas”)

- Tenho um fetiche pela Teresa Guilherme (parece que a Endemol estava com falta de criatividade e pronto foi o que se arranjou para o menino)

- Sou detetive privado (pensei que isto era uma profissão, afinal é um segredo)

- Envolvi-me com jogadores de 3 seleções (temos poliglota na casa … ou talvez não)

- Medo de palhaços (talvez seja boa ideia, este evitar alguns companheiros de casa)

- Falso casal lésbico (chama-se a isto garantir as audiência … em alta!)

- A minha namorada e as minhas duas ex-namoradas estão na casa (é uma espécie de Marco Paulo, mas num nível avançado)

- As ex-namoradas do meu namorado estão na casa (olhem a sorte da rapariga, que só descobriram duas)

- O meu ex-namorado está na casa (sim, esta também faz parte do quarteto do Marco Paulo da casa)

 
Tendo em conta o “guião”, as “personagens” e o que “vende” em televisão … acho que temos uma novela de “faca e alguidar” para os próximos três meses.
 
 
Imagem retirada da Internet
 

domingo, 21 de setembro de 2014

Deixem o Pimba em Paz

Não é um espectáculo que se explique. Ouve-se. E ouve-se como nunca antes tínhamos ouvido uma série de músicas de José Malhoa, Nel Monteiro, Ágata, Mónica Sintra ou Quim Barreiros.

Declamar as “24 Rosas” de José Malhoa pode parecer absurdo, mas é assim que o Bruno Nogueira dá o pontapé de saída deste espectáculo, depois de interpelar o público sobre o que esperam ver naquela noite. E uma coisa é certa, ninguém espera ir ver o que vai ouvir e ver. Manuela Azevedo a interpretar “Sozinha” de Ágata numa performance digna de um palco da Broadway, Camané a reinterpretar o fado “Telegrama” e Marante a cantar “Som de cristal” num estilo que de pimba nada tem.

Confusos? Pois, mas ainda não chegamos à “Comunhão de bens” (de Ágata) tocada num tom sombrio ao piano por Filipe Melo. E também ainda não chegamos à “parte agrícola” do espectáculo, onde o Bruno Nogueira numa composição musical digna de um conto infantil explica “Porque Não Tem Talo O Grelo” (de Leonel Nunes). A partir daqui o céu passa a ser o limite e até a música didáctica-dramática de Graciano Saga “Vem Devagar, Emigrante” arranca gargalhadas ao público. E a explosão é total perante “Ninguém, ninguém” (de Marco Paulo) e um medley de Quim Barreiros, onde não podia faltar “Cabritinha”, “Pito Mau”, “A Padaria” e “Os Bichos da Fazenda”.

Se querem ver de tudo um pouco, desde do jazz ao pop/rock, não podem perder “Deixem o Pimba em Paz”.  


sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Capitão do óbvio, os aviões proporcionam …

… a sensação de sardinha em lata. E agora há factos ou melhor um estudo a comprovar exactamente o que as minhas pernas andam a dizer há anos.


Segundo um estudo da Universidade de Oklahoma, “uma em cada 20 pessoas tem razões (anatómicas) para se queixar dos desconfortáveis assentos nos aviões”. Porquê? Porque as medidas foram tiradas com base no tamanho médio de um homem, que aparentemente de “médio” tem muito pouco. Quem é mulher (1 em cada 4) pode ainda ter de lidar com um problema acrescido - um rabinho demasiado grande para o assento. É que o designer também se esqueceu que as mulheres têm ancas mais largas, do que os homens.  


O estudo acrescenta ainda que a situação piora sempre que alguém reclina o banco (a sério? Nunca tinha reparado!?). Mas não vale a pena ficarmos alarmados com este facto. As pessoas preocupam-se com o bem-estar dos outros, pelo que a maioria opta por não atarracar o passageiro de trás entre bancos (é impressão minha ou a pessoa que fez este estudo nunca fez viagens de avião durante a noite!).  


Solução para o problema! Ah … pois não há. É que para resolver o problema, as companhias aéreas teriam de aumentar o preço dos bilhetes.

Mas pensamento positivo! Na próxima viagem de avião lembrem-se que pelo menos 19 pessoas estão confortáveis, 9 estão com as pernas a “gritarem” por espaço e que pelo menos uma mulher está numa situação pior, porque tem o rabo “atarraxado” no banco.
 
Imagem retirada da Internet

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Passeios pela Internet #4 … Legos para gente grande

Lembram-se de brincar aos legos em crianças? Pois agora basta ter 30.000 euros e uma chave de fendas para poder tornar o sonho de criança realidade. Depois do mobiliário da marca sueca, cuja premissa base é “monte e interprete as instruções por sua conta e risco”, chega a casa “encaixe tudo e a casa fica prontinha num instante”.

O vídeo é bastante elucidativo sobre como “construir” esta casa, mas há uma coisa que fiquei sem perceber e que me preocupou. Depois de a casa estar toda “montada” deve começar um outro “jogo”. Uma versão adulta do “quarto-escuro” ou mesmo um jogo histórico chamado “regresso à época medieval”. É que eu vi o vídeo duas vezes e não consegui descobrir quando é que se “monta” ou onde é que se “encaixa” a instalação elétrica e a canalização da casa. O vídeo pode ser visto AQUI.
 
Pop-UP House - Imagem retirada da Internet
 
 

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Detox … por onde começar?!

Vamos começar por um elogio. Admiro verdadeiramente as pessoas que conseguem começar o seu dia de bem com a vida e de sorriso na cara, depois de beber uma espécie de “gaspacho liquidificado em versão copo com palhinha”. E digo isto sem qualquer pingo de ironia. Admiro mesmo.

Agora, não acho é piada nenhuma que me tentem converter a esta nova moda. No meu caso a máxima “os olhos e o nariz também comem” aplica-se a 100%. Portanto, quando me deram a experimentar um exemplar detox foi basicamente isto que aconteceu.

Os meus olhos “interpelaram-me” - “Queres mesmo provar este flubber?”. E o meu nariz questionou a origem – “De certeza que ela por engano liquidificou qualquer coisa que estava morta?”. Resultado. Foi com bastante relutância que consegui beber 2dl daquela coisa verde.

T: É bom, não é?

Eu: Ah … o que é que leva mesmo?

T: Pepino, espinafre, couve …

Eu: O que é isto que está aqui a “flutuar”?

T: Salsa seca, não tinha fresca por isso coloquei da seca. É igual!

Eu: Pois … mal se nota a diferença. E fruta?

T: Sim, na receita dizia uma maçã e dois kiwis, mas eu só pus um kiwi. Não faz diferença.

Eu: Claro … Qual é mesmo a função do sumo?

T: Dá-te energia e ajuda a emagrecer.

 
Comprovo a eficácia ao nível da energia. Eu só bebi um bocadinho e tive uma energia descomunal para me livrar do resto do copo. Quanto ao emagrecer. Tenho a certeza que também resulta. Comigo depois do detox teria muito provavelmente uma sessão de vomitox.
 

Qualquer semelhança com a realidade é pura coincidência, se bem que neste caso qualquer semelhança com a coincidência é pura realidade.
 

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Ready, Set, Go … Desafio Liesbster Award

Muito bem! Fui chamada à “receção” para responder a mais um desafio. Primeiro nomeada pela autora do blog Bata & Batom e depois nomeada pela autora do blog 43 e picos.

 
Obrigada às duas por mais este desafio e por quebrarem a regra das 11 perguntas!
 
Regras:
- Colocar a imagem (que está em cima) no blog;
- Responder às 11 questões que te foram colocadas;
- Nomear entre 4 a 11 blogs (de preferência com menos de 200 seguidores) e dar-lhes 11 questões da tua autoria;
- Não podes nomear a blogger que te nomeou, tens que avisar todos os nomeados e deixar-lhes o link do post;
- Avisa a blogger que te nomeou para que ela possa ver as respostas às suas questões.
 
Perguntas da Bata & Batom:
1 - Tens algum vício? Se sim, qual?
Não, absolutamente nenhum … comer chocolate é mesmo um hobby.
 
2 - Consideras-te romântico(a)?
Sim! Se isto fosse uma reunião dos românticos anónimos, eu muito provavelmente estava neste momento a levantar-me da cadeira e a fazer a minha apresentação de forma solene. Enfim...acho que um pouco de romantismo nunca fez mal a ninguém... e eu tenho a minha dose.
 
3 - Se não pudesses ter ambos, qual escolherias: computador ou telemóvel?
Vamos lá ver se ainda me lembro como se faz. Um-dó-li-tá, cara de amendoá … Ok! Agora a sério. Se fosse MESMO obrigada a escolher, eu escolhia o telemóvel, porque me permite comunicar (essencial para quem fala como um papagaio) e estar contactável em qualquer local a qualquer hora, de uma forma “leve” e prática.  
 
- Qual a divisão da casa de que gostas mais? Porquê?
É difícil escolher! Não quero! Tem mesmo de ser?
Para que conste escolho a sala, sabendo perfeitamente que deixo lavada em lágrimas a minha cozinha e o meu quarto. Mas, pronto. A minha favorita é a sala. É lá que passo a maior parte do meu tempo e onde tenho tudo aquilo que mais gosto. A televisão, filmes, música, livros … está tudo na sala.
 
5 - Qual o momento mais engraçado da tua vida?
Sou completamente despassarada, o que por si só me garante uma fonte inesgotável de situações engraçadas. Não consigo escolher “A Mais Engraçada”, por isso optei por escolher uma que não teve público.
Em casa, numa tentativa de multitasking costumo atender as chamadas em alta voz. Até aqui tudo bem. O problema é mesmo a pessoa com quem eu estou a falar conseguir ouvir-me, principalmente quando o telemóvel fica … dentro do frigorífico. Entre o tirar uma coisa e colocar outra, o desgraçado do telemóvel ficou no frigorífico e eu continuei alegre e contente a conversa sozinha até ouvir o frigorífico a “tocar”. Mas descansem o telemóvel ficou fresquinho que nem uma alface, mas vivo.
 
Perguntas da 43 e picos:
1 - Qual a tua viagem de sonho?
Ai Júlio Verne, Júlio Verne … tu és o culpado! A minha viagem de sonho é dar volta ao Mundo.

2 - Qual a tua profissão de sonho?
Para mim a profissão de sonho é aquela em que me sinta realizada e com perspetiva de alcançar novos objetivos, que me permitam progredir. Neste momento, a profissão que tenho encontra-se a meio caminho deste sonho, mas não me posso queixar.     
 
3 - Qual o melhor piropo que já recebeste até hoje?
Boa pergunta. Não sei. Apenas me lembro de uma vez me terem dito na faculdade algo parecido com: “tu és como a raiz quadrada de -1. Irreal.”. Achei piada por ser um piropo “intelectual”.
 
 4 - Qual o dinheiro mais mal gasto?
Quando levo o meu carro à lavagem automática para o pôr todo pipi e cheiroso e depois ando apenas 30 metros com ele … e uma pomba resolve “aliviar-se” mesmo em cima do meu popó. O raio das bichas têm uma pontaria com o meu carro!

5 - Qual o teu maior desejo de consumo?
Raramente compro por impulso, mas os chocolates têm a mania de fazer beicinho sempre que eu passo à frente deles. E depois há os sapatos e os relógios que também sabem gritar muito bem aos meus ouvidos.
 
Já que quebrada estava, quebrada fica a regra. Eu proponho só 6 perguntas:
- Qual foi a melhor “mentira piedosa” que já contaste?
- O que é que só fazes se fores mesmo obrigada(o) a fazer?
- Quando dizes que são só 5 minutos, quanto tempo realmente é?
- Ninguém diz palavrões, mas qual é o teu preferido?
- O que é que te faz dar uma boa gargalhada?
- Na famosa cena do Titanic em que o Leonardo Dicaprio grita “I'm the King of the World!". O que é que tu gritarias?
 
E os desafiados a responder a estas 6 perguntas são:
- Til autora do blogue “Pessoa Importante Chegou!”
- K autora do blogue “Um dia atrás do outro”
 
Qualquer outro blogger que leia este post sinta-se convidado a participar e desafiado a fazê-lo …
 
 

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Não olhe. Não toque. Não fale.

Para algumas mulheres (e também homens), o marido (ou esposa) é “artigo” para receber a placa do “não olhe, não toque, não fale”. A razão é simples: “porque é meu”.

Mas como é que as restantes pessoas "descalçam esta bota"? Se para falar com um, o outro tem que estar presente. Se para onde vai um, o outro tem de acompanhar. Fala-se a medir as palavras. Evitam-se conversas que possam dar azo à ciúmite aguda. E mesmo assim vai tudo por água abaixo, quando uma pessoa simplesmente diz “estes dois lugares estão livres”.  

Parece mentira, mas aconteceu mesmo. O braço-dado amoroso e romântico deu lugar nesse preciso instante a um “arrastão” do marido para o ponto oposto da sala.

Aparentemente ficar sentado numa mesa para oito pessoas é um "centro de oportunidades" para uma mulher (neste caso viúva) iniciar um flirt com um homem casado.

Felizmente, a senhora em causa era dotada de um sentido de humor brilhante. Enquanto nós estávamos estupefactos com o que tinha acontecido, ela acrescentava:

“Este foi o melhor piropo que já ouvi. Tenho 78 anos, estou numa sala rodeada de mulheres mais novas e mesmo assim sou considerada um perigo iminente para o casamento daquela senhora. Será do meu novo rímel? Por entre duas batatas assadas, se eu piscasse um olho, ele cairia aos meus pés?”.     
 
Imagem retirada da Internet
 

domingo, 14 de setembro de 2014

Revista À Cunha

Foi mesmo à cunha que a sala esteve. Praticamente cheio, o Salão D'ouro do Casino da Póvoa recebeu a digressão nacional da Revista à Cunha, que conta com textos de Francisco Nicholson, Mário Rainho e Flávio Gil, encenação de Carlos Cunha e Marina Mota, músicas de Carlos Dionísio e direção de corpo de baile por Marco de Camillis.
 
Modesta em guarda-roupa e cenários, como uma revista “itinerante” é “obrigada” a ser, compensa em talento e divertimento. Ao palco sobem Carlos Cunha, Filipa Cardoso, Érika Mota, João Duarte, Sara Brás e Bruno Pópulo, que passam em revista alguns dos pontos “altos” da nossa atualidade.
 
Para mim a surpresa da noite foi Filipa Cardoso. Não conhecia o seu trabalho como fadista, muito menos o talento que possui como atriz. Uma entrega de corpo e alma ao longo de todo o espetáculo que deslumbra, emociona e diverte quem vê.
 
O próximo destino da Revista é o Porto. De 10 de Outubro a 26 de Outubro, a Revista à Cunha estará no Teatro Sá da Bandeira. Se querem um bom momento de descontração, não percam!   
 
 

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Conversa de elevador #1

- Então, como foram as tuas férias?

- Óptimas! Foi só pena ter sido assaltado.

- Roubaram-te muita coisa?

- Só o cartão de crédito.

- Que chatice. Tiveste logo que o cancelar e …

- Não. A chatice é mesmo eu estar casado com a ladra há mais de 10 anos.

 

Não sei o que mais me “incanita os nervos”. Se é existirem mulheres que dão má fama ao restante mulherio. Se é o facto de ao fim de 10 anos, este marido ainda não ter descoberto como resolver o problema.