quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Para bom paranóico, meia informação basta …

A comunicação social está a fazer um excelente trabalho. Já faz mapinhas dos pontos “negros”, já fala das fontes do surto e a cada informação que passa fico com a sensação que contribui mais para a criação de um surto de paranóicos, do que para a compreensão do surto de legionella.

Há dois dias foi divulgada a notícia de dois casos de legionella no Porto. Hoje, vou ao café e para pegar na chávena dava-me jeito ter trazido a pega do forno comigo. Eu gosto de café quente. Percebo a precaução, que é fundamentada com: “alguns clientes com mais idade estão alarmados, por isso passamos a escaldar as chávenas e aumentamos a temperatura”. Eu percebo tudo isto! O que eu não percebo é por que raio, eu tenho de ficar com uma queimadura de 3º grau nos beiços, por causa de um surto de legionella, cuja “fonte” está localizada a quase 300 km de distância.
 
Se há altura em que não devemos ler as notícias na diagonal, ler só a letras “gordas” ou ler só o rodapé do telejornal … esta é sem dúvida a altura!!!


 

Imagem retirada da Internet

8 comentários:

  1. Ai, concordo plenamente ctg! Devemos ter cuidado, claro! Mas há cada paranóia sem qualquer fundamento! Ufa!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há pessoas que estão a levar a precaução ao extremo!

      Eliminar
  2. a paranóia dá jeito, e a desinformação também. pelo menos alguém há de pensar que está a fazer um bom trabalho!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Toda a gente acha que está a fazer um bom trabalho (e do ponto de vista deles estão). Cada um rema para seu lado e reza para que a "barca" não parta a meio!

      Eliminar
  3. É isso mesmo... oh maltinha indesejável - esta que quer, porque quer, incutir o pânico à custa de uma boa audiência...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É claramente uma bola de neve, que "alimenta" muita gente!

      Eliminar
  4. Casa roubada, trancas à porta :-/
    E para não ficarem mal no figurino, toca de desviar a atenção da verdadeira culpa, e originar um circo de pânico e fobias.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E se no meio de tantas trocas e baldrocas, a culpa acabar "casada" ... podemos dar-nos por muito contentes!

      Eliminar