quinta-feira, 12 de março de 2015

Nem sempre a culpa é do cozinheiro …

… e quem tempera a comida, de forma a provocar hipertensão ou diabetes instantâneos, à falta de um “cursinho” que resolva o problema, pode sempre mudar-se para uma casa perto de um aeroporto, estação de metro ou discoteca que viole consecutivamente a lei do ruído. É que aparentemente (porque amanhã “nasce” outro estudo que diz o oposto), “uma pessoa sujeita a um barulho de fundo muito elevado, tem tendência a achar a comida menos salgada e menos doce do que uma pessoa que coma em silêncio”.

Para situações mais pontuais, em que a mão deixa cair meio saleiro dentro da panela … é ligar a aparelhagem ao máximo com a música “Before I Forget” em repeat (problema resolvido!).  

Outra “descoberta” foi os efeitos da altitude no olfacto e paladar:

- “Depois de se despedir das pessoas no aeroporto e entrar no avião, diga adeus ao seu cheiro … pois adorava, mas não. Eu continuo a conseguir sentir o cheirinho dos pezinhos à larga. Também consigo sentir o cheirinho do WC, sempre que fico na última fila do avião e o cheiro a flores murchas do perfume das hospedeiras, que passam a alta velocidade no corredor.  

- “Perdemos dois sabores, o doce e o salgado. O azedo e o amargo ficam praticamente intactos… portanto, se sentirem um travo a azedo, a não ser que queiram regular o funcionamento do intestino, é melhor não comerem.
 
 

18 comentários:

  1. Pois é Nina...our mind e as papilas gostativas!

    ResponderEliminar
  2. Ai rapariga estas associações deram- me vontade de ir...
    Kis :>}

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem ... então o estudo já valeu para alguma coisa :)))

      Eliminar
  3. Quando não têm mais nada que fazer inventam "estudos" :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cada um "pior" do que o outro ... no que toca a conclusões brilhantes! ;)))

      Eliminar
  4. ahah olha eu cá também não me incluía nesses estudos, porque essas teorias comigo também não resultam...
    Beijinho,
    Telma | Fui Eu Que Disse - Blog

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nestes estudos, eu sou sempre o outlier... :)
      Beijinhos :)

      Eliminar
  5. Pena eu não ter lido o post antes de jantar. Quando ela se queixou de falta de sal na couve-flor, tinha-lhe dito que o problema era da altitude. É que, ultimamente, tenho andado com a cabeça um bocado no ar. eheheheh

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amanhã voltas a ter almoço e jantar ... tens três opções: "aterrar" a cabeça, acertar com o tempero ou pôr as conclusões do estudo em prática ;))))

      Eliminar
  6. gosto muito de estudos que acabam em conclusões tão científicas! espetacular!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Seguem o raciocínio lógico do “se parece uma batata, se sabe a batata é porque é uma batata” ... são formidáveis! ;)))

      Eliminar
  7. Já nem me lembro da última vez que andei de avião (saudades), mas recordo-me do salmão me ter sabido pela vida, ok, não sou normal!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não és mesmo ... peixe num avião com bom aspecto e sabor!?!? Hummm ... ou tiveste sorte ou as papilas estavam de greve ;)))

      (e saudades só viajar, as minhas últimas refeições foram sandes de pão durito) :P

      Eliminar
  8. Posso citar isto em refeições com o Sogrinho? ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que sim ... e se resultar depois conta! ;)))

      Eliminar